12 de fevereiro de 2016

Bem-vindo

Sê bem-vindo
À minha peça de teatro!
Não pagas bilhete,
Mas só assistes a um acto.

Sê bem-vindo
À minha performance!
Senta-te na primeira fila,
Só hoje terás essa chance.

Sê bem-vindo
À minha actuação!
Não bates palmas?
Obrigado! ... De coração.

Sê bem-vindo
Ao meu recital!
Eu quero dar o meu melhor...
Não sei bem. às vezes, é qual!

Sê bem-vindo
À minha gravação!
Às vezes minha fé vacila...
Ou então! ...Não.

E... para quem está
Na bancada VIP sentado
Tenho muita coisa a dizer
A primeira é agradecer

Depois... quero agradecer de novo
Pois, sem vocês meus fiéis espectadores
Eu não seria mais do que um ovo

Graças a vocês meus queridos
Passei muitos dias à rasca
De sangue, suor e lágrimas
Valeu a pena! Saí da casca

Tenho marcas, tenho feridas e...
Dói-me aqui, dói-me ali!
Tive que ser contorcionista
Quase desde que nasci

Minha arte é intemporal
E treinada devagarinho
Na plateia: uns, dizem mal
Outros, é cá um burburinho!

Nos bastidores sou bem orientada
Por mentores de categoria
Também eles já estiveram no meu lugar...um dia...
E...são cá d'uma valentia!

Também quero muito agradecer
A quem trata da encenação
Som, limpeza, iluminação...
Tudo tem muito valor...podem crer!

Só faço bem se todos os dias
Sentir gratidão por este chão
E, depois...sei que tudo o que me acontecer
Eu, certamente, fiz por merecer!

Sou a actriz principal
Este é o meu guião
Pelos meus amigos de cena
Esforço-me por sentir, também, gratidão

E... no dia em que a cortina fechar
Quero sentir-me muito feliz
E ter o meu coração a transbordar

E... no dia em que a cortina fechar
Quando meus olhos abrir
Quero ver claro e sentir

E... no derradeiro momento!
Quando finalmente...
...a iluminação se apagar!
...o som se desligar!
E...a cortina, definitivamente, cerrar!
Eu vou uma vénia fazer!
E vou continuar a agradecer!

A minha chama continuará acesa
E a minha fé a fervilhar
Quero outros palcos pisar
Por aí fora...
...por esse infinito Universo

Cristina, Dezembro de 2015

Minhas palavras

Imagem daqui

Eu faço cordas de palavras
em vez de fazer uma oração.

Eu faço cordas de palavras
p'ra fazer um laço bonito no meu coração.

Eu faço cordas de palavras
p'ra te enrolares quando faltar a paixão.

Eu faço cordas de palavras
p'ra te agarrares quando ficares sem chão.

Palavras sem nexo para o intelecto,
na linguagem do coração.
Palavras sem tecto esperando adopção.
Palavras abertas por detrás de um portão.
Palavras que são um deserto para a razão.

Palavras, palavras, palavras, ...

Palavras, porque sim ... !
Palavras que fazem sentido p'ra mim.
Palavras que são confetis e pozinhos perlimpimpim.
Palavras que tocam à minha campainha e fazem "triiiiiiiim".

Palavras ... Quero mais!
Elas entram e tu sais!
Elas são e tu jamais!
Elas sonham e são reais!

Palavras borbulhantes da minh'alma,
como uma nascente termal.
A sua característica medicinal
é curar-me de qualquer mal.

Palavras esquisitas para os acomodados,
Palavras benditas para os perturbados,
Palavras malditas para os arrogantes,
Palavras esquisitas de ignorantes.

Palavras afastadas do desejo de vencer,
Palavras esgotadas para quem quer aparecer,
Palavras desprezadas pelo capital,
Palavras espezinhadas pelo modelo social.

Palavras traduzidas da linguagem intemporal.
Palavras trazidas do mundo real.
A password permitida pelo portal
é amor a linguagem universal.

Cristina, 23 de Janeiro de 2016